+ Este podcast é filiado ao ECAD em respeito aos direitos autorais de utilização das músicas +
Aconselhamos que para um maior aproveitamento do material disponibilizado aqui, que você o ouça em local que lhe proporciona atenção e clima de oração. Escutar os áudios em fones de ouvido facilita a apreciação dos detalhes dos áudios.
Pedimos que responda nossa pesquisa na barra acima para ajudar-nos a melhorar este trabalho!
É de grande importância que você nos deixe um comentário (o campo está em cada postagem). Para contato você pode mandar um email para nós: cefascast.org@gmail.com

Faça parte Você também!!!

Irmãos, por falta de recursos financeiros, migramos todos os áudios do Podcast para o no nosso canal no Telegram. Acesse:



terça-feira, 4 de agosto de 2015

Novena Meditativa a Santa Teresa Benedita da Cruz (Edith Stein) - Dia 5º

5º dia da NOVENA – 2ª parte da Homilia do Papa São João Paulo II na cerimônia de beatificação da irmã Teresa Benedita da Cruz

6. Teresa, a abençoada pela cruz, este é o nome daquela mulher que iniciou o seu caminho espiritual com a convicção de que não existia absolutamente nenhum Deus. Nos anos da sua juventude e dos seus estudos, a sua vida não tinha ainda sido marcada pela cruz de Cristo; no entanto, esta constituía já o objeto da constante procura e do estudo da sua viva inteligência. Quando tinha quinze anos, na sua cidade natal, Breslávia, Edith, nascida numa família judia, decidiu "deixar de rezar", como ela mesma confessou. Apesar de ter sido profundamente impressionada pela forte fé da sua mãe, transcorreu os anos da juventude e de estudos com espírito ateístico.

Considerava inadmissível a existência de um Deus pessoal.
Nos anos dos seus estudos de Psicologia, Filosofia, História e Filologia germânica em Breslávia, Gotinga e Friburgo, Deus não ocupava nenhum lugar na sua vida. Todavia, professava um "idealismo ético muito elevado". De acordo com o seu grande talento, intelectual, não quis aceitar nada que não fosse provado, nem sequer a fé dos seus pais. Desejava por si mesma ir ao fundamento das coisas.

Por isso busca incansavelmente a verdade. Mais tarde, olhando para essa época de inquietude espiritual, reconheceu esse tempo como uma etapa importante do seu processo de maturação interior, afirmando: "A minha busca da verdade era uma verdadeira e própria oração" – maravilhosa frase de consolo para todos os que têm dificuldade em crer em Deus! A procura da verdade é já no mais íntimo uma busca de Deus.


Sob a forte influência do seu mestre, Husserl, e da sua escola fenomenológica, esta estudante inquieta dedicou-se cada vez mais decididamente à filosofia. Aprendeu sobretudo "a considerar tudo sem preconceitos e a rejeitar todas as viseiras". O encontro com Max Scheler em Gotinga, proporcionou a Edith Stein o primeiro contacto com as ideias católicas. Ela mesma escreve sobre isto: "As barreiras dos preconceitos racionalistas, nos quais eu cresci sem o saber, fecharam-se e o mundo da fé apareceu de repente diante de mim. Dele fazem parte integrante as pessoas, com quem me relacionava diariamente e eram por mim vistas com admiração".

A longa luta para uma decisão pessoal de aderir à fé em Jesus Cristo terminou só em 1921, quando ela começou a ler a "Vida de Santa Teresa de Ávila", livro escrito pela própria Santa e encontrado na casa de uma amiga.
Ficou imediatamente impressionada pela leitura e não a deixou enquanto não chegou ao fim. "Quando terminei à leitura, disse a mim mesma: Esta é a verdade". Esteve a lê-lo durante a noite toda, até ao amanhecer. Naquela noite ela encontrou a verdade; não a verdade da filosofia, mas a Verdade em Pessoa, o "Tu" amoroso de Deus. Edith Stein estava à procura da verdade e encontrou Deus. Sem mais delongas, pediu para ser batizada e recebida na Igreja católica.
7. A recepção do Batismo não significou de modo algum para Edith Stein a ruptura com o seu povo judeu. Pelo contrário, ela afirma: "Quando eu era uma jovem de catorze anos deixei de praticar a religião judaica, e só depois do meu retorno a Deus é que me senti judia". Ela sempre teve a consciência de que "pertencia a Cristo, não só espiritualmente mas também por descendência". Sofreu muito pela grande dor causada à mãe devido à sua conversão, mas continuava a acompanhá-la à Sinagoga e recitava com ela os Salmos. À afirmação da mãe de que também se podia ser piedosa sendo judia, ela respondeu: "Sem dúvida, mas quando não se conheceu outra coisa".

Embora desde o encontro com os escritos de Santa Teresa de Ávila o Carmelo tivesse sido a meta de Edith Stein, ela teve de esperar mais de dez anos, quando então Cristo lhe mostrou na oração o caminho para a entrada no Carmelo. Na sua atividade como mestra e professora, no trabalho escolar e nas tarefas de formação, desempenhada na maior parte em Espira e depois também em Monastério, ela continuou a trabalhar por conciliar ciência e fé. Neste mister queria ser apenas um instrumento do Senhor. "Quem vem a mim, quero conduzi-lo a Ele".

Já nessa atividade ela viveu como uma religiosa, fez os três votos privadamente e tornou-se uma grande e inspirada mulher de oração. Estudando intensamente São Tomás de Aquino, chega à conclusão de que é possível "praticar a ciência como um serviço divino... Só em virtude desta convicção é que pude decidir, em plena consciência, iniciar de novo (depois da conversão) um trabalho científico". Apesar do seu grande apreço pela ciência, Edith Stein vai percebendo com maior clareza que a essência do ser cristão não é o saber mas o amar.

Quando enfim, em 1933, Edith Stein entrou no Carmelo de Colônia, este passo não significou para ela uma fuga do mundo ou das próprias responsabilidades, mas uma participação ainda mais decidida no seguimento da cruz de Cristo. No seu primeiro colóquio com a Priora daquele Carmelo, ela disse: "O que pode ajudar-nos não é a atividade humana, mas a paixão de Cristo.”

O meu desejo é participar nela". Por isso mesmo, no momento da vestição não pôde expressar outro desejo senão o de ser chamada, na vida religiosa, "da Cruz". E, no santinho que recordava a sua profissão perpétua, ela pôs a frase de São João da Cruz: "A minha única missão de agora em diante será amar ainda mais".

8. Queridos irmãos e irmãs. Com toda a Igreja, inclinamo-nos hoje diante desta grande mulher, a quem de agora para o futuro poderemos chamar bem-aventurada na glória de Deus; inclinamo-nos diante desta grande filha de Israel, que em Cristo, o Redentor, descobriu a plenitude da sua fé e da missão para com o Povo de Deus.

Segundo a convicção de Edith Stein, quem entra no Carmelo "não perde os seus, mas os reencontra, pois a nossa vocação é precisamente a de ser para todos diante de Deus. A partir do momento em que começou a entender o destino do povo de Israel "sob o sinal da Cruz", a nossa nova Beata foi desejando cada vez mais assimilar Cristo no seu profundo mistério de Redenção, para se sentir na unidade espiritual com os múltiplos sofrimentos do homem e para expiar as injustiças deste mundo que clamam ao céu. Como "Benedita da Cruz", ela quis levar a sua cruz juntamente com a de Cristo pela salvação do seu povo, da sua Igreja e do mundo inteiro. Ofereceu-se a Deus como "sacrifício expiatório pela paz verdadeira", e sobretudo pelo seu povo oprimido e humilhado. Depois de ter sabido que Deus de novo tinha com força pousado a Sua mão sobre o seu povo, convenceu-se de que "o destino deste povo era também o seu".

Na sua penúltima obra teológica "A ciência da Cruz", que começara a escrever no Carmelo de Echt como Irmã Teresa Benedita da Cruz que todavia não pôde concluir porque teve de empreender o seu caminho da cruz – ela observa: "Quando falamos de ciência da Cruz não entendemos... como pura teoria, mas expressamos uma verdade viva, real e efetiva". Quando vislumbrou sobre ela, como uma nuvem espessa, a ameaça de morte que pesava sobre o seu povo, mostrou-se disposta a testemunhar com a própria vida o que aprendera anteriormente: "Há uma vocação a padecer com Cristo e, como consequência, a colaborar na sua obra de salvação... Cristo continua a viver nos seus membros e neles continua a sua paixão; o sofrimento suportado em união com o Senhor é a Sua paixão, o qual está inserido na grande obra de redenção e mediante ela se torna fecundo".

Com a sua irmã Rosa, a Irmã Teresa Benedita da Cruz percorreu o caminho para o extermínio, unida ao seu povo e "pelo" seu povo. Todavia, não aceitou passivamente o sofrimento e a morte, mas uniu-os conscientemente ao Sacrifício expiatório do nosso Salvador Jesus Cristo. Alguns anos antes, escrevera no seu testamento espiritual: "Desde já aceito a morte que Deus me tem reservada, com alegria e completa submissão à Sua santíssima vontade. Peço ao Senhor que se digne aceitar, o meu sofrimento e a minha morte, para seu louvor e glória, por todas as necessidades... da Santa Igreja". O Senhor escutou esta oração.

A Igreja propõe hoje à nossa veneração e imitação a Beata Mártir Teresa Benedita da Cruz, exemplo de seguimento heroico de Cristo. Abramo-nos à mensagem que ela nos dirige como mulher do espírito e da ciência, que na ciência da Cruz conheceu o ápice de toda a sabedoria; como uma grande filha do povo judeu e uma grande cristã no meio de milhões de irmãos inocentes martirizados. Ela viu que a cruz se aproximava de forma implacável, mas não fugiu atemorizada; pelo contrário, animada pela esperança cristã, abraçou-a com amor e entrega total e penetrada pelo mistério da fé pascal, saudou-a à sua chegada: "Ave Crux, spes unica!".

Como disse na sua breve Carta pastoral o vosso venerado Cardeal Höffner: "Edith Stein é um dom de Deus, uma advertência e uma promessa para a nossa época. Possa ela interceder junto de Deus por nós, pelo nosso povo e por todos os povos!".

9. Queridos irmãos e irmãs. A Igreja do século XX vive hoje um grande dia! Inclinamo-nos profundamente diante do testemunho da vida e da morte de Edith Stein, ilustre filha de Israel e ao mesmo tempo filha do Carmelo, Irmã Teresa Benedita da Cruz; uma personalidade que reúne na sua rica vida a síntese dramática do nosso século. A síntese de uma história cheia de feridas profundas que ainda hoje continuam a fazer sofrer, mas que homens e mulheres com sentido de responsabilidade se esforçaram e continuam a esforçar-se por sanar; síntese ao mesmo tempo da verdade plena sobre o homem, num coração que esteve inquieto e insatisfeito "enquanto não encontrou a paz em Deus".

Ao dirigirmo-nos espiritualmente para o lugar do martírio desta grande judia e mártir cristã, para o lugar daquele acontecimento terrível que hoje se chama "Shoah", escutamos a voz de Cristo, o Messias e Filho do homem, o Senhor e Redentor.

Como mensageiro do mistério insondável de Deus, Ele diz à Samaritana junto do poço de Jacob:
"A salvação vem dos judeus. Mas vai chegar a hora e já chegou, em que os verdadeiros adoradores hão de adorar o Pai em espírito e verdade, pois são esses os adoradores que o Pai deseja. Deus é espírito e os Seus adoradores em espírito e verdade é que O devem adorar" (Jo. 4, 22-24).

Bendita seja Edith Stein, Irmã Teresa Benedita da Cruz, uma verdadeira adoradora de Deus, em espírito e verdade.
Sim, bendita!

Fonte:

Em Colônia, no Rito de Beatificação, publicado no jornal L'Osservatore Romano, edição semanal em português n. 20 (912), 17 de maio de 1987, págs. 5/6 (253/254).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmãos, é uma grande alegria para nós podermos partilhar este trabalho de evangelização com vocês.
Seu comentário é muito importante para nós.

Deixe-nos seu comentário, crítica, sugestão ou testemunho!
Pedimos que se identifique, pois comentários anônimos correm o risco de não serem aceitos.
Deus te abençoe!