+ Este podcast é filiado ao ECAD em respeito aos direitos autorais de utilização das músicas +
Aconselhamos que para um maior aproveitamento do material disponibilizado aqui, que você o ouça em local que lhe proporciona atenção e clima de oração. Escutar os áudios em fones de ouvido facilita a apreciação dos detalhes dos áudios.
Pedimos que responda nossa pesquisa na barra acima para ajudar-nos a melhorar este trabalho!
É de grande importância que você nos deixe um comentário (o campo está em cada postagem). Para contato você pode mandar um email para nós: cefascast.org@gmail.com

Faça parte Você também!!!

Irmãos, por falta de recursos financeiros, migramos todos os áudios do Podcast para o no nosso canal no Telegram. Acesse:



POWr Survey

domingo, 2 de agosto de 2015

Novena Meditativa a Santa Teresa Benedita da Cruz (Edith Stein) - Dia 3º




3º dia da NOVENA – Biografia de Santa Edith Stein, considerada padroeira dos universitários – O texto abaixo é a Parte 3 do artigo de Renê Courtois

A SOMBRA DA CRUZ

O ano de 1933 se iniciava sob inquietantes presságios: a chegada brutal do nacional socialismo fazia prever perseguições próximas contra os judeus.

Uma tarde, durante a quaresma, Edith Stein teve pela primeira vez uma notícia destas ameaças. Desde esta hora, a dolorosa apreensão de tantos sofrimentos reservados a sua raça não deveria deixá-la mais. No começo de abril, de passagem em Colônia, ela assistiu a uma Hora Santa na capela do Carmelo Lindenthal. Nesta tarde houve entre o Mestre e sua discípula, um compromisso secreto que deveria orientar daí em diante todo o seu destino. Deixemos a palavra a Edith Stein: “Eu me dirigia ao Senhor, nos diz ela, e Lhe dizia que sabia bem que sua Cruz pesaria daí por diante sobre o povo de Israel. Estava pronta a percorrer este caminho. Que o Senhor me indicasse apenas o que devia fazer. Quando terminou o ofício, eu tinha a certeza interior de ter sido atendida. Mas não sabia ainda qual seria a minha Cruz.”

Ela o saberia bem cedo. De retorno a Munster, a 9 de abril seguinte, recebeu o aviso de que todo ensino e toda publicação estavam interditos aos não arianos. Ela compreendeu que sua carreira universitária estava terminada. Vários convites lhe foram feitos do estrangeiro, especialmente da América do Sul. Mas sua decisão era irrevogável. Há doze anos aspirava com toda a sua alma a vida contemplativa. Não tinha soado a hora de realizar enfim o seu desejo íntimo? Não se lhe poderia mais objetar com a necessidade de sua ação no mundo, uma vez que toda atividade pública lhe era interdita.
O abade de Beuron aquiesceu finalmente ao seu pedido. Imediatamente, Edith Stein deu os passos necessários para sua admissão no carmelo de Colônia. Ela deixou Munster, em julho de 1937, e passou um mês em Colônia. Enfim, partiu para Breslau, para se despedir definitivamente dos seus.

Lá, tudo se ignorava de sua decisão. Sua irmã Rosa, a quem ela se confiou em primeiro lugar, ficou surpreendida, mas compreendeu e calou. Pouco a pouco ela se abriu com seus irmãos e irmãs, pedindo-lhes que nada revelassem a sua mãe. Como outrora, passava seus dias de espera na intimidade desta mãe venerada. Idosa, com 84 anos, sentava-se a sua mesa de trabalho e lhe confiava tudo que tinha no coração. Jamais inquiriu dos projetos futuros de sua filha. Por sua vez, Edith não desejava apressar a hora da dura revelação.
O momento, porém, devia chegar. Devemos consignar aqui a emocionante descrição que Edith nos deixou: No primeiro domingo de setembro, eu estava só em casa com mamãe. Ela estava sentada, tricotando perto da janela. Eu estava ao pé dela. De repente, ela me fez a pergunta tanto tempo esperada:
“- O que vais fazer em Colônia, com as religiosas?
- Viver com elas! - respondi

Mamãe não parou de tricotar. Seu novelo de lã se desenrolou. Com as mãos trêmulas, procurou ajeitá-lo. Eu ajudei, enquanto a nossa conversa continuava. Desde este momento a paz tinha terminado. Sobre a casa, pairava uma pesada pressão. De tempos em tempos mamãe me fazia uma pergunta ou outra. Seguia-se um silêncio. Meus irmãos pensavam como minha mãe, mas não desejavam aumentar seu sofrimento. Um de seus genros, contudo, mostrou-lhe que a minha decisão consumaria a minha ruptura com o povo judeu justamente quando se aproximavam terríveis provações. Como esta alusão a minha infidelidade deve ter feito sofrer minha mãe!”

Ela que aceitava com o coração tão leve a Cruz que se abatia sobre sua raça, e que desejava carregar diante de Deus! A separação me foi tão cruel, que ninguém poderia me dizer com certeza, se tal ou qual maneira de agir teria sido a melhor. Eu tinha que dar este passo nos mistérios da fé. Muitas vezes, durante estes dias, pensei: Qual de nós duas, mamãe ou eu, não saberá mais resistir?
“Mas nós ambas aguentamos até o último dia.”

A 12 de outubro, aniversário de Edith e, ao mesmo tempo, festa judia dos Tabernáculos a jovem acompanhou, uma vez mais, sua mãe à sinagoga. Durante o longo trajeto de volta que sua velha mãe queria fazer a pé, a fim de abrir o coração com a filha, ela lhe perguntou:
“- O sermão não foi belo?
- Certamente mamãe!
- Então também se pode ser piedosa entre os judeus?
- Por certo, se não se aprendeu a conhecer outra coisa.” Ela teve então esta dolorosa reflexão:
“- Porque então aprendeste a conhecer outra coisa? Eu não quero reprovar nada a Jesus. Ele pode ter sido uma criatura muito bondosa. Mas por que ele quis se fazer Deus?”
“Neste dia havia muita gente em nossa casa. Um após outro nossos hóspedes se despediram. Por fim eu fiquei só, com mamãe. Com as mãos no rosto, ela começou a chorar. Eu me coloquei atrás de sua cadeira e abracei docemente esta venerável cabeça branca. Assim ficamos longo tempo, até que ela quis se deitar. Nesta noite, não fechamos os olhos nem por um momento.”

O CARMELO

No dia seguinte pela manhã Edith Stein partiu para Colônia, e, dois dias depois encontrava-se diante desta clausura que há tanto tempo desejava transpor.
A 15 de outubro de 1933, com 42 anos de idade, Edith Stein terminava o estranho itinerário que a conduzira de Husserl ao Carmelo. Daí em diante, começava uma nova estrada. A estrada da irmã Teresa-Benedita da Cruz. Este foi o nome religioso que tornou, a 15 de abril de 1934, ao receber o hábito. No dia seguinte a esta cerimônia, o provincial dos Carmelitas pediu-lhe que retomasse daí por diante, em seu tempo livre, seu trabalho científico de filosofia.

Assim logo se encontrou em sua cela, entre seus livros. Aí comporia a principal obra de sua vida: L´ être fini et l´être éternel, uma expicação da filosofia moderna, de Descartes a Heidegger. Esta obra em dois volumes não pode ser publicada na época, por causa dos decretos que impediam toda literatura não ariana.

Apesar do isolamento do claustro, ela continuava em comunicação com a sua família. Cada semana, por uma permissão especial, enviava uma carta a sua mãe. Por muito tempo suas cartas não tiveram resposta. Afinal, recebeu uma carta, testemunha do amor materno enfim vencedor. A partir deste momento, as cartas de sua irmã Rosa traziam-lhe de cada vez algumas palavras de sua mãe. Durante o verão de 1936, mulher admirável, com 87 anos de idade, caiu doente e seu estado piorou rapidamente. A 14 de setembro, na festa de Exaltação da Santa Cruz, fazia-se no Carmelo a cerimonia de renovação dos votos. Quando chegou a vez da irmã Tereza da Cruz, ela teve de súbito a clara intuição: “Minha mãe está ao meu lado”. No mesmo dia, um telegrama trouxe a notícia do falecimento. Sua mãe tinha expirado na hora da renovação de seus votos.

Durante o Advento de 1936, Edith Stein teve a alegria de acolher sua irmã Rosa que recebeu afinal o batismo, tanto tempo retardado para não ferir ainda mais a velha mãe.
O céu cobria de nuvens cada vez mais sombrias. A perseguição nazista, longe de diminuir, redobrava de violência. Era uma pérfida campanha contra a religião de um modo geral, e contra as ordens religiosas em particular. A irmã Teresa temia que a sua presença expusesse o Carmelo de Colônia a represálias. Assim, a sua partida para a Holanda foi decidida.
Durante a noite de S. Silvestre, em 1938, ela passou clandestinamente a fronteira e dirigiu-se ao Carmelo de Echt, no Limburgo Holandês. Rapidamente adaptou-se. Às seis línguas que já dominava, acrescentou o flamengo. Prosseguindo seus trabalhos intelectuais, acabou seu estudo sobre S. João da Cruz: A Ciência da Cruz.
Nesta época, sua irmã Rosa veio encontrá-la no Carmelo de Echt, como carmelita de terceiro grau.

O HOLOCAUSTO

10 de maio de 1940. Em meio ao fragor das explosões e ao rugir dos motores, a possante máquina de guerra nazista se põe em marcha. A Holanda é rapidamente ocupada. As perseguições anti-semitas desenvolvem-se com violência.
Um perigo imediato pesa, de novo, sobre a irmã Teresa da Cruz. Por isto, é decidida uma nova evasão para a Suíça, para o Carmelo Le Pâquier, perto de Friburgo.
Era o começo de 1942. As formalidades burocráticas se alongavam. Uma convocação da Gestapo já chamara a religiosa a Maestricht e depois a Amsterdam. A sua presença não tinha escapado à sinistra polícia. As ameaças se faziam cada vez mais temíveis. Felizmente, tudo estava pronto para a partida... Mas não eram estes os desígnios de Deus.
A 2 de agosto de 1942, a comunidade de Echt tinha se dirigido ao coro, como de costume, para a oração matinal. Bateram na porta do convento. Dois oficiais apareceram e solicitaram a presença das irmãs Stein. Estas, supondo que lhes traziam o passaporte para a Suíça, deixaram a capela.

Ao entrar no parlatório, empalideceram. Os SS as esperavam. Tiveram ordem de se aprontar para deixar o Carmelo em dez minutos.

Edith Stein voltou ao coro, ajoelhou-se uma última vez diante do Santíssimo Sacramento e deixou a comunidade, com estas palavras: “Por favor, irmãs, rezem por nós.”
Os enérgicos protestos da Madre Superiora não tiveram nenhum efeito. Rapidamente as duas religiosas reuniram o que lhes permitiram levar: uma coberta, uma caneca, uma colher e algumas provisões.

Na rua, onde uma multidão se tinha reunido para protestar, estava um grupo dos SS. Fizeram entrar as duas irmãs em uma viatura que partiu para um destino desconhecido.
Em Echt, onde a angústia reinava, recebeu-se um telegrama do campo de concentração de Amersfort. Edith Stein pedia algumas vestes quentes e seu breviário.
As irmãs enviaram rapidamente a sua encomenda, por intermédio de jovens holandeses que puderam entrar em comunicação com as duas religiosas. Eles as encontraram muito calmas, sem a menor queixa, mas na incerteza total de seu futuro. Uma carta recebida pouco depois, anunciava a sua partida iminente para leste. Veio ainda uma palavra, última confidência que brilhou como uma última chama na noite: “A ciência da Cruz não se pode adquirir sem que ela nos pese realmente sobre os ombros. Desde o primeiro instante eu estava convencida, e a mim mesma me dizia: Ave crux, spes unica...”

O silêncio total se seguiu. Soube-se que a 6 de agosto, primeira 5a. feira do mês, um comboio de judeus, quase todos convertidos, tinha partido em direção da Polônia.
O último traço conhecido desta eminente religiosa é um pequeno bilhete a lápis remetido por mão desconhecida a uma irmã de Friburgo: A caminho da Polônia. Lembranças da Irmã Teresa Benedita da Cruz.

E, após, a noite. Ignoramos onde terminou o seu calvário. Não se sabe em que lugar este olhar profundo que tinha perscrutado sempre os enigmas do homem e do universo, encontrou afinal a luz sem sombras.

Alguns disseram, com certo fundamento ao que parece, que foi nas câmaras de gás do sinistro campo de extermínio de Auschwitz, na Polônia. Mas nada foi confirmado oficialmente. Por que então perseguir questões sem utilidade?
“Nós não a procuramos mais na terra, escreviam as Carmelitas de Colônia, mas perto de Deus que aceitou seu sacrifício e dará a recompensa ao povo pelo qual ela sofreu e morreu.”

A notícia de sua morte, numerosos testemunhos de admiração e de veneração chegaram de todos os lugares da Alemanha. Por sugestão do professor Grabmann, o círculo cada vez mais numeroso de seus amigos, antigos alunos e admiradores, fez votos de que, por sua beatificação e canonização ela se transformasse em exemplo luminoso do conhecimento e do amor de Deus.

Sua clareza não cessa de se estender aos meios intelectuais e universitários. Como escreveu o jesuíta alemão Frans Hillig: “É preciso que, graças aos jovens cristãos de todos os países da Europa, o exemplo desta vida seja arrancado ao passado para que continue neles cada vez mais vivo e atuante”.

Fim.

Fonte: Convertidos do Século XX, Livraria Agir Editora, Rio de Janeiro, 1960
Tradução: Hoche Luiz Pulchério

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Irmãos, é uma grande alegria para nós podermos partilhar este trabalho de evangelização com vocês.
Seu comentário é muito importante para nós.

Deixe-nos seu comentário, crítica, sugestão ou testemunho!
Pedimos que se identifique, pois comentários anônimos correm o risco de não serem aceitos.
Deus te abençoe!